quinta-feira, 21 de março de 2013

NEO-NAZISMO: O FRUTO DO CANIBALISMO SOCIAL


I. COMO SURGIU O NAZISMO?
ALEMANHA, 1920: A destruição do País na 1ª Guerra Mundial (1914-18), as restrições oriundas dos pactos do pós-guerra, a crise econômica global que levou à quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque e à mega inflação que estava arruinando a economia (com cerca de 32 milhões de desempregados em 1932) e a auto-estima da classe média alemã fizeram com que nascesse o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei), fundado em 1º de Abril de 1920, do qual resultou na ascensão ao poder, em 1933, de Adolph Hitler, cujo governo e ideais resultaram na 2ª Guerra Mundial. Era um sistema político ultra-nacionalista e que condenava abertamente a democracia liberal, fazendo do anticomunismo a sua principal bandeira e dos discursos demagogos e palavras de ordem violentas suas principais características.
O nazismo tem sua origem no militarismo prussiano, cujas características eram a ambição expansionista e rígidos padrões de disciplina e hierarquia social. Sua ideologia era extremamente confusa e teve como fontes o pensamento alemão, como:
  • Hegel - A TEORIA DO ESTADO TOTALITÁRIO;
  • Fichte e sua PREGAÇÃO NACIONALISTA;
  • Ernst Moritz Arndt e Friedrich Ludwig Jahn - PREGADORES DA XENOFOBIA, CONHECIDOS COMO “PATRIOTAS DE 1813ʺ;
  • Houston Stewart Chamberlain - APOLOGIA DO HOMEM NÓRDICO, O “ARIANO PURO”;
  • Friedrich Nietzsche - O SUPERHOMEM, “ALÉM DO BEM E DO MAL”;
  • Friedrich Ratzel e Karl Haushofer - GEOPOLÍTICA;
  • Richard Wagner - A MÍSTICA DO HERÓI GERMÂNICO, ELEVADA EM SUAS MÚSICAS;
  • Werner Sombart e Oswald Spengler - “SOCIALISMO ALEMÃO”.

O rompimento com a LIGA DAS NAÇÕES em Outubro de 1933 e o repúdio ao TRATADO DE LOCARNO em 1936 resultaram em um mal estar irreversível entre a Alemanha e a França, devido à invasão da Renânia, região pertencente à França. Suas atrocidades são plenamente conhecidas, com o holocausto de milhares de judeus e de não simpatizantes do regime do III REICH, que teve fim com a morte do FÜHRER, com a derrota da Alemanha na 2ª Guerra Mundial.

II. O NAZISMO HOJE:
ALEMANHA, 1988: Com o fim do regime comunista do Leste Europeu, as Alemanhas Ocidental (capitalista) e Oriental (comunista) voltam a se reunir em um só País, pois o Muro de Berlim veio abaixo, dando fim a anos de fugas mirabolantes e massacres em massa dos que eram recapturados. Mas a festa da Reunificação Alemã durou pouco, pois grupos neo-nazistas estavam lutando contra os estrangeiros que viviam nas periferias, principalmente judeus, latinos, turcos, negros e outras minorias étnicas. É o renascimento do III REICH, em pleno século XXI, em meio à caça dos criminosos nazistas da 2ª Guerra Mundial.

BRASIL, DÉCADAS DE 1980/1990: Em São Paulo, surgem grupos neo-nazistas, conhecidos como SKIN-HEADS ou “cabeças carecas”, extremamente violentos, que pregam a expulsão dos judeus, palestinos, negros e nordestinos para suas respectivas terras natais. Surge também o Partido Nacional-Socialista (1988) que, apesar de não participar ativamente do cenário político nacional, está ganhando força.
O que surpreende no neo-nazismo brasileiro é que não temos uma “RAÇA PURA”, tendo em vista que somos frutos de uma “miscelânea” de raças que, por sua vez, também são uma “miscelânea” de raças. Um exemplo disso são os nossos colonizadores: tanto portugueses quanto espanhóis não são 100% “puramente”
europeus, tendo sua ascendência vinda principalmente dos mouros, vindos do Oriente Médio, pela expansão do Islamismo.
Os negros, por sua vez, vieram de inúmeras tribos centro e sul africanas, trazidos como escravos, conquistados como despojos de guerra, quando vencidos pelos colonizadores europeus, ou vendidos por outras tribos como objetos de troca, fosse por comida, por bebidas alcoólicas ou por pedras preciosas.
Ao chegarem aqui, na condição de escravos, eram explorados ao máximo e suas mulheres, além do trabalho na cozinha da casa grande, eram também exploradas sexualmente pelos senhores e pelos capatazes, nascendo assim os primeiros mulatos, frutos da “UNIÃO” dos negros e dos brancos.
Mas não foram só as mulheres negras que sofreram com a exploração sexual dos “colonizadores”: as índias também sofreram tal agressão, nascendo outra ETNIA típica do Brasil, conhecidos como mamelucos ou caboclos. Da união dos índios e dos negros, ambos explorados pelos portugueses e refugiados nos primeiros QUILOMBOS, nasceram os cafuzos.
Quanto aos nordestinos, então, a proximidade é ainda maior, tendo em vista que foram eles que construíram os Estados mais ricos do País, como SP e RJ e, querendo ou não, todos nós temos vínculo com os nordestinos, nem que seja “POR DEBAIXO DOS PANOS”. Por isso, não há como ter RAÇA PURA em nosso País, pois somos fruto de uma enorme mistura étnica, sem contar que podemos ter chances enormes de sermos descendentes diretos de qualquer uma dessas etnias perseguidas.
De acordo com a matéria “FILHOS DO ÓDIO”, publicada no Jornal O DIA, em 01 de Abril de 2001, ANIVERSÁRIO de fundação do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, os neo-nazistas brasileiros são divididos em três grupos: os NACIONAIS SOCIALISTAS, os SKIN-HEADS ou “cabeças carecas” e os WHITE POWERS ou força branca. Os primeiros fundaram um partido político no RJ e em Niterói, em 1988, comandado por Armando Zanine Júnior; os segundos são os mais temidos, devido à sua violência e às práticas racistas.
Sua DOUTRINA SEPARATISTA inclui a separação dos Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul do resto do País, a fim de criar uma Nação branca SUPERIOR.
Em relação ao Rio de Janeiro, eles defendem uma LIMPEZA ÉTNICA, com a intenção de expulsar do Estado todos os negros, judeus e nordestinos. Já os WP pregam uma LIMPEZA ÉTNICA mais violenta, que inclui a deportação dos judeus, turcos, sírios e libaneses para seus Países de origem. Aqueles que tiverem estabelecimentos comerciais, os mesmos deverão ser incendiados, como forma de rompimento de vínculo com o Brasil.
Em relação aos negros, é defendida a volta da escravidão. Somente serão livres aqueles que puderem pagar por ela. Pregam também a pena de morte do criminoso e de seus familiares. Em relação aos nordestinos, a crueldade é ainda maior, pois aqueles que se recusarem a voltar para sua terra, serão decapitados.
Outro ideal difundido pelos neo-nazistas brasileiros é a estatização da economia, com a encampação das multinacionais; trabalhos forçados em presídios, transformando os presos em mão de obra “BARATA” e “PRODUTIVA”; e a socialização da Educação e da rede pública de Saúde.
Ainda de acordo com a reportagem acima, há diferenças entre os SKINHEADS de SP e do RJ. Os PAULISTAS, em sua maioria, têm curso superior, enquanto os CARIOCAS, não. Outra diferença é a de que os primeiros defendem o INTEGRALISMO, ou seja, a IMPLANTAÇÃO COORDENADA de suas idéias; já os segundos, defendem a violência gratuita, pregada pelos WP. Quanto à reunião dos grupos, no RJ, se concentram os NACIONAIS-SOCIALISTAS e os SKIN-HEADS, e em SP e no Sul, concentram-se os WP. De acordo com a pesquisadora Diane Kuperman, eles representam 0,004% da população brasileira - 6.600 pessoas.
A princípio, parece ser um número inexpressivo, mas não é, tendo em vista que não pára de crescer o número de adeptos ao movimento e, em vinte anos, poderá ser uma grande ameaça à nossa Democracia. Seus métodos de divulgação também evoluíram desde a implantação do III REICH, pois, enquanto este usava o rádio como meio de propagar suas mensagens ANTI-SEMITAS, os de hoje usam a Internet, tendo em vista que não há nenhuma lei de censura ou órgão moderador que limite a divulgação de mensagens racistas na Rede.
Há também filmes que mostram o modo violento de agir dos neonazistas. O principal deles é “A OUTRA HISTÓRIA AMERICANA” (“THE AMERICAN HISTORY X”), dirigido por Tony Kaye, que mostra como nasce a cultura do racismo em uma pessoa: dentro de casa. Mostra que a violência, querendo ou não, gera ainda mais violência e que, quanto mais jovem, mais fácil de ser engodado pela ambição da RAÇA PURA.

III. CONCLUSÃO:
Vivemos um período de extrema instabilidade sócio-político-econômico em nosso País e, assim como a água parada está para o AEDES AEGIPTY (mosquito transmissor do Dengue), o momento é bastante propício para o crescimento e disseminação da cultura neo-nazista, pois, assim como os alemães dos anos 1930-40, os brasileiros do século XXI estão em busca de algo ou alguém que melhore o seu ego, nem que seja através de medidas extremamente violentas contra aqueles que, de alguma forma, são descendentes daqueles que construíram este País, nem que tenha sido como ajudante de pedreiro, mas que cada gota de suor deles está misturada com a argamassa que juntou cada tijolo, isso está. Que cada sonho de retornar para sua terra com melhores condições de vida está em cada parede pintada nestas Cidades, também. Que cada desilusão está nas pegadas deixadas nas Rodoviárias, Portos e Aeroportos do Brasil, não resta a menor dúvida.
Por isso, absurdos totalitários e fundamentalistas como o Nazismo não deveriam ter espaço em nosso País, pois nele temos as digitais de uma infinidade de povos em cada centímetro quadrado construído, seja nos grandes Centros urbanos, seja em cada Vilarejo do interior, ou em Jazidas nas Matas do Norte e Centro Oeste deste País. Quanto aos problemas existentes, não há como negar que eles existem e que a solução deve ser conseguida com urgência. Mas sem tolerância e cooperação mútua, não chegaremos a lugar nenhum. E o CANIBALISMO SOCIAL crescerá cada vez mais.

IV. BIBLIOGRAFIA:
  • Jornal O DIA, 01 de Abril de 2001, páginas 22 e 23;
  • Enciclopédia Mirador, vol. 15, Encyclopaedia Britannica do Brasil, 1987;
  • História da Civilização, vol. IV;
  • Site zazcinema: http://www.zaz.com.br.

MARTINS PESSÔA REGIS JÚNIOR. MATRÍCULA: 19951.5538-0.
DIREITO - 10º PERÍODO - NOITE.
ÉTICA PROFISSIONAL E JURÍDICA. PROFª FLÁVIA KOGAN.

Nenhum comentário: