quarta-feira, 16 de junho de 2010

AS COPAS DO MUNDO E O FALSO NACIONALISMO BRASILEIRO


Esse vai ser um dos poucos assuntos que vou abordar no meu blog sem ter um rascunho por trás, pois vou colocar direto neste blog algo que me incomoda há bastante tempo e sei que esse assunto vai provocar um mal-estar que, sinceramente, quero que seja provocado, pois não há mudanças sem que haja, antes, um mal-estar.

Percebo, em nosso povo, uma hipocrisia misturada a uma histeria coletiva que beira à loucura e ao ridículo, ao mesmo tempo, sempre que temos uma Copa do Mundo. Esse "nacionalismo" é hipócrita, pois só vemos a ostentação da Bandeira Nacional nessa época, como se o nosso País vivesse somente em função do futebol e como se valesse à pena torcer por ele durante esses curtos e eletrizantes trinta e poucos dias de competição. Durante os outros três anos e onze meses, nós, brasileiros, tratamos nosso País como um pai doente e velho, que nos mimou tanto que, agora, o desprezamos por não dar a nós tudo aquilo que já sugamos dele. Parece uma loucura e, ao mesmo tempo, é ridículo, porque é uma barulheira de cornetas, chapéus circenses, óculos gigantescos e outras coisas que insistem em colocar o nosso povo como meros bobos da corte (sem aspas mesmo).

Coincidência ou não, as Copas do Mundo acontecem EXATAMENTE nos mesmos anos em que ocorrem as ELEIÇÕES GERAIS em nosso País, em que escolhemos o Presidente da República, os Governadores dos Estados, os Deputados Federais e Estaduais e os Senadores. Não estou querendo criar aqui uma "Teoria da Conspiração", principalmente porque os norte-americanos são mestres nisso e não tenho a menor intenção de copiá-los, mas parece que as cabeças dos brasileiros entram num estado de torpor nesse período, e nada importa mais do que onze caras correndo atrás de uma bola, com o objetivo de passar por outros onze caras e colocar a coitada bola no gol alheio. Se existem pessoas passando fome, frio (coisa estranha que, enfim, chegou ao Rio de Janeiro...), parece que, fora agora, só no Carnaval, parece não ter nenhuma importância. Se temos políticos mal intencionados, o problema é deles, queremos mais é torcer pela nossa Seleção. No meu curto entendimento, é um pensamento mesquinho.

Minha intenção aqui não é querer desmerecer a importância da competição, pois ela é bela, é empolgante, é emocionante; não nego isso. Quero, sim, que sejamos NACIONALISTAS mesmo, que ostentemos nossa belíssima Bandeira em nossas casas, em nossos carros, em nossos corpos até mesmo nos anos em que não há Copas do Mundo, Olimpíadas ou quaisquer outras competições, pois nosso País é muito mais que o futebol, muito mais que o Carnaval, muito mais que a Praia de Copacabana ou o Pelourinho. Ele é um País continental que tem lindas paisagens, o povo mais bonito e alegre da Terra e a vantagem de ter somente uma língua, de Norte a Sul, de Leste a Oeste.

AMO VOCÊ, BRASIL!